Allez au contenu, Allez à la navigation, Allez à la recherche, Change language

  • Applications
  • Tumblr
  • Instagram

Página inicial > Article

Sandrine Kiberlain, Presidente da Caméra d'or

Dia 11.04.2017 às 10:20 AM - Updated on 12.04.2017 at 12:06 PM

Sandrine Kiberlain © Neilson Barnard / Getty Images

 

Por ocasião da 70ª edição (17-28 de Maio), o Festival de Cannes acolhe com agrado a presidência de Sandrine Kiberlain para o Júri da Caméra d’or! Rodeada de profissionais, a actriz francesa recompensará uma primeira obra proveniente da Selecção Oficial, da Quinzena dos Realizadores ou da Semana da Crítica.

Em 25 anos de carreira e cerca de quarenta filmes, a actriz tem-se imposto com simplicidade, doçura e evidência na paisagem cinematográfica francesa. Em 1994, morre no ecrã em Os Patriotas de Éric Rochant (prémio Romy-Schneider), depois confirma com En avoir (ou pas) de Laetitia Masson (César de Melhor Esperança Feminina). Desde então, brilha intensamente, corre riscos e ousa tanto no drama (Mademoiselle Chambon), como na comédia maluca (Gravidez de… Alto Risco, César de Melhor Actriz), no filme de autor (La Fausse Suivante) ou ainda no cinema popular (O Menino Nicolau).
Jovem realizadora de uma curta-metragem notável em 2016, Bonne Figure, faz filmes sob a direcção de Benoît Jacquot (Le Septième Ciel), Claude Miller (Betty Fisher et autres histoires), Nicole Garcia (Uma Vista Para o Mar), Alain Resnais (Amar, Beber e Cantar) ou André Téchiné (Quand on a 17 ans).
Membro do Júri das longas-metragens do Festival de Cannes em 2001, Sandrine Kiberlain acompanhou na Croisette Les Patriotes, Um Herói Muito Discreto (1996) e Polissia (2011) em Competição, bem como À vendre (1998) na secção Un Certain Regard.

Depois de Wim Wenders, Tim Roth, Abbas Kiarostami e, por último, Agnès Varda ou Sabine Azéma, la presidente Sandrine Kiberlain e os seus jurados entregarão o prémio da Caméra d’or na noite de Encerramento do Festival de Cannes, no domingo dia 28 de Maio. Desde 1978, recompensou nomeadamente Para Além do Paraíso de Jim Jarmusch (1984), Suzaku de Naomi Kawase (1997), The White Balloon de Jafar Panahi (1995), Fome de Steve McQueen (2008) ou Bestas do Sul Selvagem de Benh Zeitlin (2012). No ano passado, a realizadora Houda Benyamina recebeu a Caméra d’or para Divines, apresentado na Quinzena dos Realizadores.
 

Facebook Twitter Imprimer